Arquivo para Cigarro

10 Poemas em Prosa (ou para ninguém reclamar que aqui não tem inovação.)

Posted in Poema em Prosa with tags , , , , , , , , , , , on 10/12/2009 by caioguilherme

10 Poemas em Prosa (ou para ninguém reclamar que aqui não tem inovação.)

Por: Caio Guilherme

I

Ontem um abraço suado. O ônibus nunca passa vazio. O celular castigando orelhas e ovinhos de codorna suando num boteco qualquer. Se eu fosse amigo do rei, compraria-me uma Pasárgada e não venderia bolovo.

II

Daria uma rosa para aquele dia. Do lado da minha casa queima uma fonte de luz colorida. Deixo essa cidade dizendo um nome, maldizendo um beijo e clamando por seu seio. Você me fecha a porta e me agarro num abraço perdido. Tudo cai de lado e digo “até amanhã”.

III

Agora cala e some. Ratinhos no escuro, tão bonitinhos, procurando um queijo. Num buraco da vida encontram um beijo. Lucilda gosta de goiabada e todos gostam de mim. Do que adianta as luzes apagadas se nada acende o meu bem querer. Fecha-se a porta e gatos emergem, mastigam e somem com os ratinhos lá do começo.

IV

 Tem-se uma nota esbranquiçada. Palavras de amor abandonadas na face da terra. Pela cusparada tomada dá-se a outra face do mundo. Perdão não se dá, pois é duro ter que pensar.

O duro, é trabalhar em silêncio. A face dessa Terra toda e tosca fede a ranho. o choro está ardendo.

V

Agora tem sabor de menta. Uns lábios de cigarro emprestado. As bitucas queimam a pele. Não mais beijar barangas. Orgulho ferido dói menos que pisão no pé. Sonho em desejo insatisfeito.

VI

Seu olhos brilham em fogos de artifício. Minha cidade era o caos. Sem você ela virou loucura. Saudades do chocolate que você mordeu. Saudades da sua mordida. Um cheiro e beijos nus na chuva. Te reencontrarei.

VII

Um cotovelo nunca é bonito. Ninguém se apaixona só pelos cotovelos. Quando se encontra um para beijar, belo, lindo e cheiroso, é puro milagre. Eis que você achou o amor verdadeiro.

VIII

Sua pança se encaixava na minha. Seu bumbum liso encaixava na minha mão, combinação perfeita. Bom de apertar. Alegria de tentação. Um bom dia era te encoxar enquanto nos beijávamos.

IX

Não existe verdade. Nem verdadeira paixão. Um gole de tequila, é um gole de tequila. E um beijo apaixonado é o melhor beijo do Mundo até o próximo beijo apaixonado. É que nem quando bebê anda, sorri e o cachorro trás uma bolinha atirada na boca. Tudo tem seu fim. Só resta a bituca. A bituca e fumaça.

O vento, no final das contas, leva tudo. Eu, você, a verdade e a ilusão.

X

Um girassol, o sol e nós dois a noite no terminal. Duro é embarcar para descer tão logo, já que sua mão é quente e o seu ombro gostoso. Melhor que isso, só se meus lábios tocassem os seus e você dissesse meu nome, sussurrasse em meus ouvidos. Ai, meu Deus, que me perco nesses olhos e não acho mais o caminho de casa.

Quando fizer um gol no futebol, vou correr em direção as câmeras e gritar seu nome. Se desse jeito não te ganhar, vai me restar virar um músico famoso e cantar uma música feita inspirada em você. Poesia é movimento, pena que eu canto tão mal…

Questões

Posted in Comentário do Autor with tags , , , , , , , on 28/07/2009 by caioguilherme

Um prefeito que só anda de helicóptero e um secretário de transportes que só anda de carro não podem falar sobre transporte público. Tem coisas que só podem ser entendidas na prática. No mais, o desenvolvimento econômico através da expansão da indústria automobilística já faliu há tempos.

 

Os fumantes do curso de História da Usp demonstram, na lista de emails da mesma, brilhantemente os resultados ridículos do individualismo exacerbado, pois fazem um comentário imbecil após o outro. O pior é que muitos, naquele local, falam de socialismo e verdadeiro espírito igualitário e comum, mas os esquecem sobre a primeira sombra de ferimento aos seus “direitos de fumantes”. Talvez haja algo mais do que o apelidado, por alguns deles, de “psdbismo-drauziovarelista”  na questão envolvendo cigarro e saúde.

 

O Herrera acertou ao dizer que o futebol brasileiro virou esporte de maricas. Tudo, agora, é resolvido nos jornais e até xingamentos usuais geram suspensões sem sentido. Quem entra na arena, que é o que o estádio significa em última instância, tem de estar preparado a tomar umas borduadas e ouvir uns xingamentos, estes quando não são de cunho preconceituoso não fazem lá grandes males a infância, a moral e aos bons costumes. O afã de regrar e julgar tudo está matando a espontaneidade do futebol, um dos últimos redutos restantes para essa bela arte, a arte de ser leve.

 

A obsessão brasileira por abrigar grandes eventos esportivos é um sinal de imensa ganância e de verdadeira vontade de desviar dinheiro. Por quanto mais tempo teremos de tolerar o sonho carioca, e as vezes paulista, pelas olimpíadas? A copa já num é o bastante?

 

O ENEM e os vestibulares vêm mudando suas feições para formas cada vez mais bizarras. Como a unicampização da Fuvest torna o vestibular da Usp mais acessível se ela se aproxima do vestibular mais elitista do Estado? Em nome de uma improvável melhora futura do ensino soterram-se as gerações que sofreram com essa educação tanto particular quanto o público (guardada as devidas proporções), chinfrim que temos nesse país. 

 

Quem defender o politicamente incorreto na redação do ENEM perderá pontos, não importando a qualidade da argumentação. Para quê a discussão de idéias, então? Os lados já estão previamente definidos…

 

Um tópico se contradiz ao outro, mas a questão é questionar. A vida é, ou deveria ser, assim.